Quem dá mais sentido à sua vida?

Quem dá mais sentido à sua vida?

Em 2013, a surfista australiana Samantha Bloom estava de férias com o marido e os três filhos pequenos na Tailândia quando sofreu um acidente devastador. Ela se encostou em uma grade da varanda que estava com defeito e caiu de uma altura de seis metros direto no solo de concreto. Fraturou o crânio, rompeu os pulmões e estilhaçou a coluna vertebral.

Depois de seis meses no hospital, lutando entre a vida e a morte, ela voltou para casa paraplégica, em uma cadeira de rodas, sem vontade de viver. “Meu acidente fez de meu marido um pai solteiro e um enfermeiro em tempo integral – até meus filhos tiveram que cuidar de mim. Eu não era mais uma mulher independente e tinha perdido a vontade de viver. Eu pensava constantemente em suicídio. Em minha mente, eu já estava morta.”

Até que um dia um dos filhos de Samantha encontrou um filhote de pássaro ferido. Era uma pega, uma ave da família dos corvos, que havia caído de uma altura de dezoito metros e batido no piso de asfalto de um estacionamento. Ela estar viva ainda era quase um milagre.

As crianças deram a ela o nome de Penguin, por causa da sua plumagem preta e branca. Por causa de seu estado grave – e nenhum veterinário aceitou atendê-la – Penguin exigia atenção constante; precisava ser alimentada a cada duas horas e mantida aquecida o tempo todo.

Ajudar aquele filhote, ser responsável por ele, fez com que Samantha passasse a se sentir melhor também. E fez ela passar a se comprometer mais com a própria fisioterapia e os treinamentos para recuperar os movimentos.

Penguin conseguiu sobreviver, amadureceu e se tornou um pássaro adulto. Com o tempo, se recuperou dos ferimentos e aprendeu a voar. Samantha também recuperou sua autoestima, se descobriu como para-atleta de canoísmo e seguiu uma carreira vencedora.

A história de Samantha – que virou livro e filme – mostra que se tornar um anjo da guarda de alguém, ser responsável por alguém, dá mais sentido à nossa vida todos os dias, faz de você uma pessoa melhor.

Um dos meus “Penguins” aqui se chama Aloha, e é uma gata abandonada que adotamos há cinco anos, olha ela na imagem abaixo – como sempre, pedindo atenção enquanto eu escrevo este texto.

Quem é o “Penguin” na sua vida?

Boa semana! 💜

 

#SegundaDaCriatividade #BomDia #BelasLetras

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.